Osaka perde queda de braço, recua de boicote e abandona Roland Garros - Na Cara do Gol MT

Últimas Notícias

terça-feira, 1 de junho de 2021

Osaka perde queda de braço, recua de boicote e abandona Roland Garros

 


Os tenistas não apoiaram; os torneios do grand slam não só aplicaram uma multa como acenaram com uma ameaça de desclassificação; a opinião pública mostrava-se fortemente contra o boicote; e um texto publicado por sua irmã lhe passou a imagem de mentalmente frágil. Naomi Osaka, isolada e encurralada, deu um passo para atrás na sua decisão de ir a Roland Garros e não dar entrevistas. Nesta segunda-feira, anunciou que não vai continuar no torneio. O abandono evita futuras multas e a chance de ser não só desclassificada em Paris como proibida de competir em outros slams - o que poderia acontecer se ela continuasse descumprindo a obrigação de comparecer a entrevistas coletivas após suas partidas.

Na prática, a japonesa de 23 anos, atual número 2 do mundo, vencedora do Laureus de Esportista Mulher do Ano e mulher mas bem paga do esporte, perdeu a queda de braço com o tênis. Em mais um texto publicado em suas redes sociais (veja no tweet abaixo), Osaka admitiu alguns de seus erros e escreveu que o melhor para ela, para o torneio e para os outros era sua retirada da competição. Ela também falou que luta contra depressão e adotou uma postura mais amigável em relação à imprensa - especialmente a especializada em tênis.

https://minews.com.br/arquivos/252/conteudo/imagens/962400/e2u_kpkx0aee2vs.jpg

"Nunca quis ser uma distração e aceito que meu timing não foi o ideal e minha mensagem podia ter sido mais clara. De modo mais importante, eu nunca iria trivializar saúde mental ou usar a expressão de modo leviano. A verdade é que tive várias lutas com a depressão desde 2018 e tenho dificuldade em lidar com isso. Todos que me conhecem sabem que sou introvertida e todos que me veem nos torneios notam que estou sempre usando fones de ouvido porque isso ajuda a lidar com a minha ansiedade social."

"Embora a imprensa tenística tenha sempre sido gentil comigo (e quero me desculpas especialmente com todos jornalistas legais que eu posso ter magoado), não falo publicamente de modo natural e tenho grandes ondas de ansiedade antes de falar com a imprensa mundial. Fico muito nervosa e acho estressante tentar sempre engajar e dar as melhores respostas possíveis."

Osaka também deixou de lado a versão de que não gostaria de falar com pessoas que colocam dúvidas em sua cabeça, como escreveu na mensagem que anunciava o boicote. Nesta segunda, a versão foi bastante diferente.

"Aqui em Paris eu já estava me sentindo vulnerável e ansiosa, então eu achei melhor exercer autocuidado e não participar de entrevistas coletivas. Eu anunciei antes porque acho que as regras são muito antiquadas em partes e queria ressaltar isso. Escrevi privadamente ao torneio pedindo desculpas e dizendo que eu ficaria mais do que feliz em conversar com eles após do torneio, já que os slams são intensos."

A número 2 do mundo não explicou por que não respondeu quando foi procurada pela organização de Roland Garros e pelos torneios do Grand Slam para conversar sobre sua medida. Naomi, no entanto, deixou uma mensagem muito mais amigável na mensagem desta segunda, aceitando o diálogo. "Vou dar um tempo das quadras agora, mas quando a hora for certa, realmente quero trabalhar com o Circuito para conversar sobre maneiras para melhorar as coisas para os jogadores, a imprensa e os fãs."

A retirada de Osaka significa que a romena Ana Bogdan avança por WO à terceira rodada em Roland Garros. Essa seção também da chave também fica menos difícil para a espanhola Paula Badosa, cabeça de chave 33, que agora é a favorita para alcançar pelo menos as oitavas de final.

 

Fonte: MT Esporte


Nenhum comentário: